Cristo Reina

Dom Orani João Tempesta, Arcebispo da Arquidiocese do Rio de Janeiro

cristo_reinaChegamos ao último domingo do Ano Litúrgico! A Igreja nos convida a olhar para a direção de Cristo, Senhor e Rei do Universo. Toda a nossa vida, como a liturgia, é para que Cristo reine no mundo. É também o Dia do Cristão Leigo. A sua presença no mundo testemunhando Jesus Cristo é a grande missão de discípulo missionário. Estamos recebendo nesta última semana do ano litúrgico representantes de quase uma centena de nações que virão ao Rio de Janeiro, junto com o Pontifício Conselho dos Leigos, para os preparativos da JMJ Rio 2013. Esse gesto é muito significativo: todo o nosso trabalho e a vida dos jovens é para que Cristo, reinando nas vidas e nos corações de todos, com uma nova vida no coração e nas atitudes, caminhem na direção da civilização do amor.

É domingo de Cristo Rei! Nós recordamos que chegada a sua hora, Jesus é levado a Pilatos para que ele ratificasse a decisão do Sinédrio e o condenasse à morte. Pilatos lhe pergunta: “És tu o rei dos judeus?” Respondeu Jesus: “Tu o dizes. Sou rei”. Na sequência do interrogatório, Jesus afirma que seu Reino não é deste mundo e a ele veio para dar testemunho da Verdade. Pilatos indaga: “O que é a Verdade?”.

O Reino de Deus é um mistério! Só com os olhos da fé podemos entendê-lo. Somente a fé é capaz de abrir nossos olhos para o plano da Providência Divina sobre o universo criado, sobre a presença do mal na história e o mistério do Reino que triunfará.

Vivemos dias difíceis. O mistério da iniquidade parece dominar todos os setores da civilização atual. A cada novo dia novos problemas e violências aparecem por todos os cantos do mundo. Como predisse Jesus, nos textos escatológicos do Evangelho, nações se erguem contra nações, povo contra povo e, no meio do mesmo povo, as desordens de todo o gênero a nos colocar, a todos, diante da destruição moral e física, diante da morte. Parece ver a fotografia de nossos jornais, revistas e noticiários diários e semanais.

Mas, “Importa que Ele reine até que seus inimigos caiam a seus pés.” E para esta missão o Senhor nos chamou quando, glorificada a sua humanidade, ascendeu aos céus e nos mandou ir para anunciar o seu Reino a todos os povos.

Nos prenúncios da Nova Evangelização, sobre o que se insiste hoje na Igreja, como bem refletiu o Sínodo dos Bispos recém-findo, já no limiar do século XX, Pio XI instituiu esta festa para que, de uma forma conveniente com a cultura atual, fosse entendida pela civilização de hoje, e nós, cristãos, levássemos o mundo ao conhecimento da Verdade e proclamássemos o Reino que está entre nós e pelo qual anseia o coração humano e aspira toda a criação, como ensina São Paulo.

Como os apóstolos, quando, com o Mestre, se dirigiam à Jerusalém para o embate final da cruz, ainda temos em mente um reino terrestre, em que desejamos um lugar proeminente. Mas Jesus desfaz essas pretensões e apresenta o modelo do seu Reino, onde todos são irmãos e servem uns aos outros na caridade que emana do amor ao Pai. Serão esses que, sendo discípulos de Jesus, anunciam-No ao mundo com sua palavra e testemunho.

O evangelista João nos atesta a geração eterna do Verbo, que se tornou homem para testemunhar a Verdade. Que veio para o que era seu povo e não foi por esse reconhecido. Ele mostrou seu poder às multidões que O seguiam, que o quiseram fazer rei, não entendendo o milagre da multiplicação dos pães, como nos relatam os sinóticos.

Cristo é o Rei do Universo, não como os reis terrenos, cuja glória é fugidia e cujo poder é limitado. O pão que Ele nos dá não é como o maná que nossos pais comeram e morreram todos eles, porque é Ele próprio o pão da vida.

São Paulo, escrevendo aos Colossenses, canta a grandeza desse mistério que Deus nos revelou pelo seu Cristo. Por Ele e para Ele foram feitas todas as coisas, as visíveis e as invisíveis.

Ele é o Primogênito dos mortos, em quem reside toda a plenitude e poder, para que por Ele fossem destruídos o pecado e a morte e por Ele e Nele, libertos da corrupção e da morte, todos participassem de seu Reino de Santidade e de Vida, Reino de Justiça e Verdade, de Amor e de Paz.

Neste final de semana começamos também a Campanha para a Evangelização em todo o Brasil, que, no terceiro domingo do Advento, após as reflexões próprias deste tempo, chegaremos à coleta nacional pela evangelização. O tema está bem dentro desse clima que vivemos neste domingo e na preocupação com a nova Evangelização: “Eu vi e dou testemunho: Ele é o Filho de Deus” (Jo 1, 34) e por isso somos chamados ao Evangeli-já. Essas reflexões sobre a necessidade de evangelizar devem ajudar a Igreja a ser cada vez mais um sinal do Reino de Deus no mundo de hoje.

Nesta solenidade de Cristo Rei que encerra o ano litúrgico, como uma coroa de toda uma vivência cristã, alicerçada na fé, proclamemos em nossos corações a realeza de Cristo e renovemos nossa consagração batismal de levar o Seu nome a todas as gentes, a todas as atividades humanas, santificando-as por Seu nome.

Related posts

Leave a Comment